03 a 05 de Setembro 2024
Distrito Anhembi | SP

Multinacionais devem ter uma abordagem de segurança holística para padronizar seus sistemas de segurança física.

Com o avanço da transformação digital nas grandes empresas, que contam com infraestrutura legada, é fundamental investir em plataformas abertas e unificadas de segurança capazes de aceitar novas tecnologias e de se integrar aos sistemas legados garantindo maior produtividade e eficiência, com melhor aproveitamento de recursos e redução de custos.

Em uma era de transformação digital sem precedentes, as empresas multinacionais enfrentam uma infinidade de desafios na padronização e segurança das suas tecnologias de segurança física em todo o mundo. Desde rigorosos requisitos de cibersegurança e compliance de privacidade até a necessidade de tornar dados acionáveis prontamente acessíveis em toda a companhia, a necessidade de um parceiro tecnológico confiável e experiente é fundamental. "As multinacionais dependem de tecnologias de segurança física para garantir a continuidade dos negócios em todos os seus sites e locais. Qualquer interrupção ou tempo de inatividade nas suas operações, além de um grande risco de segurança, pode levar a perdas de milhões de dólares. Por esta razão, os sistemas de segurança devem estar operacionais mesmo durante upgrades", afirma Michel Ricardo da Silva, diretor de Desenvolvimento de Negócios da Genetec para América Latina.

Segundo ele, devido a esta característica, algumas multinacionais optam por definir uma área para iniciar a modernização e continuam a expandir a partir daí. Outros têm uma visão de operações unificadas e consistentes no início do projeto. Independentemente da abordagem, eles precisam de fornecedores que priorizem a mitigação de riscos, desde o planejamento do projeto até a implementação e além, e que tenham as habilidades necessárias para dar suporte a programas de gerenciamento de mudanças em todas as regiões. "O ideal é que trabalhem com parceiros tecnológicos qualificados e colaborativos que possam antecipar riscos e configurar contingências para garantir que atualizações e migrações ocorram sem grandes problemas", diz Silva.

É aconselhável que as multinacionais procurem fornecedores com recursos e experiência globais capazes de oferecer coordenação centralizada e apoio local ao longo de cada fase do projeto, garantindo o alinhamento bem-sucedido entre processos, políticas e operações. Isso deve incluir a coordenação com especialistas para avaliar os requisitos do projeto, viabilidade técnica, mitigação de riscos, customizações necessárias, planejamento do roteiro e muito mais. Envolve ainda a coordenação com integradores de ferramentas locais experientes e bem treinados, que podem atuar como uma extensão do fabricante para garantir uma implementação tranquila em todos os sites.

Este conteúdo é uma curadoria da RX, para continuar lendo acesse: Netseg